sexta-feira, 31 de julho de 2015

Exame FAN - Fator Antinúcleo

Dra. Ângela de Souza Cassol
Médica Dermatologista 
formada pela UNICAMP – Universidade Estadual de Campinas

O FAN, sigla para Fator antinúcleo, é um exame realizado para detectar a presença de auto-anticorpos contra estruturas nucleares das células. É bastante utilizado como "triagem" em pacientes que apresentam suspeita clínica de uma doença auto-imune, especialmente aquelas com manifestações reumatológicas, como dor articular.

A análise do resultado deve levar em conta dois fatores:
a diluição em que se mantive positiva a presença dos auto-anticorpos e o padrão de positividade destes.
Quanto à diluição, podem acontecer os seguintes resultados: (1/40), (1/80), (1/160), (1/320), (1/640), (1/1280).
Valores como 1/40, 1/80 e 1/160 são pouco sugestivos de doença auto-imune.
Valores acima de 1/320 são mais considerados para se diagnosticar uma doença auto-imune.
Quanto ao padrão de positividade podemos ter:

Nuclear pontilhado Centromérico = sugestivo de esclerodermia ou cirrose biliar primária.

Nuclear homogêneo = sugestivo de lúpus, artrite reumatoide, artrite idiopática juvenil, síndrome de Felty ou cirrose biliar primária.

Nuclear tipo membrana nuclear continua = sugestivo de lúpus ou hepatite autoimune.

Nuclear pontilhado fino = sugestivo de síndrome de Sjögren, lúpus eritematoso sistêmico.

Nuclear pontilhado fino denso = inespecífico.

Nuclear pontilhado grosso = sugestivo de doença mista do tecido conjuntivo, lúpus eritematoso sistêmico, esclerose sistêmica ou artrite reumatoide.

Nucleolar pontilhado = sugestivo de esclerose sistêmica.

Citoplasmático pontilhado reticulado = sugestivo de cirrose biliar primária ou esclerose sistêmica.

Citoplasmático pontilhado fino = sugestivo de polimiosite ou dermatomiosite.

É importante frisar que 10% a 15% da população sadia pode ter FAN reagente em valores baixos, sem que isso indique qualquer problema de saúde.

O FAN isolado não fecha nenhum diagnóstico.
Quando o paciente tem sintomas sugestivos de doença autoimune, ele auxilia par fechar o diagnóstico. Quando o paciente nada sente, não tem significado.

O resultado do FAN deve ser interpretado junto aos sintomas clínicos pelo médico que o solicitou.

http://medicoresponde.com.br/dra-angela-cassol/

4º Encontro da Pessoa com Lúpus - Petrolina -PE

Você sabe o que é lúpus?

Conhece alguém que tem? 

Então esse encontro é para você!
Encontro da Pessoa com Lúpus é realizado na biblioteca de Petrolina
Encontro vai acontecer no dia 31 de julho, às 18h30, na biblioteca municipal. Dermatologista Tânia Morena vai dar orientações para participantes.
30/07/2015 10h06 - Atualizado em 30/07/2015 10h16
Do G1 Petrolina
I Encontro do Projeto de Atenção à Pessoa com Lúpus em Petrolina (Foto: Juliane Peixinho/ G1)
Lúpus em Petrolina (Foto: Juliane Peixinho/ G1)
Mais uma edição do Encontro da Pessoa com Lúpus vai acontecer no dia 31 de julho, no auditório da Biblioteca Municipal Cid Carvalho em Petrolina, no Sertão de Pernambuco. Pessoas que tenham a doença autoimune e familiares podem comparecer ao local a partir das 18h30 e participar de uma roda de conversa com uma psicóloga e receber orientações de uma dermatologista.

Não é necessário inscrição prévia. No encontro, a dermatologista Tânia Moreno vai falar sobre os cuidados especiais que as pessoas com lúpus devem ter com a pele. Também será feita uma roda de conversa com a psicológa Fabiana Bezerra, uma metodologia que facilita o contato médico e paciente. Além disso, será distribuido um guia com locais de atendimento de saúde gratuito em Petrolina.
De acordo com a coordenadora do Projeto de Atenção a Pessoa com Lúpus, Fabiana Bezerra, ações estão sendo intensificadas no município de Petrolina. “Estamos vindo com mais força para Petrolina e temos contado com o apoio da gestão municipal. Temos novidades como o passe livre para pessoas com lúpus, oferecido pela Secretaria de Acessibilidade", destaca.

Outra novidade é que o Conselho Federal de Psicologia selecionou o projeto e desta forma será possível financiar ações e reproduzir materiais gráficos informativos sobre a doença. Entre as ações está prevista a realização do 1º Dia de Atenção à Pessoa com Lúpus de Petrolina, para o dia 27 agosto, também no auditório da Biblioteca Municipal.

quarta-feira, 29 de julho de 2015

Osteonecrose

O que é a osteonecrose? 
A osteonecrose ocorre quando o osso perde a sua vascularização, e o osso morre. 
A osteonecrose também é conhecida como necrose asséptica, necrose avascular ou necrose isquêmica.


O que ocorre na osteonecrose?
O osso é uma estrutura viva e quando perde a vascularização o osso morre, as células ósseas morrem. Com a morte dos osteócitos o osso pode ficar mais fraco e quebrar ( imagine as colunas de um prédio que começaram a quebrar).

Como é evolução da osteonecrose?
A osteonecrose óssea é uma doença autolimitada, ou seja, tem começo meio e fim. Progride sempre para a cura. Importante entender que a cura do osso não significa que a região voltae a ser como era antes. Quando dissemos que ela evoluiu para cura queremos dizer que o osso morto será substituído por osso vivo, num processo lento que cura meses ou anos.

Como fica o osso após a cura da osteonecrose?
Durante a evolução da osteonecrose o resultado final depende muito da área do osso que foi afetada. quando a área é pequena o osso não perde a resistência estrutural e não colada. Ocorre cura e não ficam sequelas. Quando á área é grande o osso perde a resistência estrutural e pode afundar, perdendo a sua forma e levando a uma artrose secundária a deformidade óssea.

Como é tratada a osteonecrose?
O ponto importante é manter o osso na sua forma original enquanto ocorre o processo se remodelação do osso.O que é o processo de remodelação óssea?
A remodelação óssea é a substituição do osso necrotico, morto, por osso novo, sadio.

A osteonecrose pode ser tratada com cirurgia?
Sim, existem várias técnicas cirúrgicas para tratar a osteonecrose. O tipo de cirurgia é específico para cada osso do corpo afetado. Por exemplo na cabeça do femur ,nos estágios iniciais podemos realizar uma cirurgia descompressiva e colocar enxerto na região para acelerar o processo. 
Nos casos mais graves e adiantados pode ser necessário realizar uma prótese de cabeça de fêmur.

Existem outras formas de tratamento?
Sim, como precisamos manter a forma do osso, algumas vezes retiramos o stress da articulação. 
No caso dos membros inferiores o paciente pode usar um par de muletas e nos casos dos membros superiores evitar as posições que provoquem carga sobre a região do osso afetado.

Quais locais do organismo são mais afetados pela osteonecrose?
A osteonecrose pode acometer virtualmente qualquer osso porém ela é mais comum na cabeça do fémur, cabeça do úmero, osso semilunar na mão, ossos do pé ( navicular, 1 e 2 metatarsianos e Talus) e no Joelho.

Quais as causas do osteonecrose?
As causas da osteonecrose não são completamente conhecidas uma boa percentagem é classificada como idiopática, porém alguns fatores estão associados a uma maior incidência: uso crónico de corticoide, alguns tipos de anemia, uso cronico de álcool, lesões articulares, alguns tipos de artrite a também alguns tipos de câncer.
Ortopedista -Médico do Esporte
Minha foto RJ Brasil 
http://www.marcosbritto.com/2010/06/osteonecrose.html

sexta-feira, 24 de julho de 2015

1° Evento para Portadores de Lúpus de Governador Valadares - Limiar da Aliança

Lúpus, doença autoimune

EVENTO SOBRE A DOENÇA SERÁ REALIZADO EM VALADARES NESTE SÁBADO, 25.

FOTO: Jack Zalcman

A MÉDICA Denise Leite explica que para identificar a doença é necessária a investigação de alguns critérios
por FERNANDA MARTINI
fernanda@drd.com.br


GOVERNADOR VALADARES -
O lúpus é uma doença autoimune que pode afetar a pele, articulações, rins, pulmões, o sistema nervoso e vários outros órgãos do corpo. E se mal tratada pode até matar. Para trocar informações e experiências com relação à doença, será realizado neste sábado, 25.

1° Evento para Portadores de Lúpus de Governador Valadares.
Será às 14h, na rua Israel Pinheiro, 2.974, no Centro.

A reumatologista Denise Leite ministrará uma palestra sobre a doença. “Estamos recebendo um grupo de Belo Horizonte, o Limiar da Aliança, que foi fundado por pacientes portadores de lúpus.
Lúpus, doença autoimune
EVENTO SOBRE A DOENÇA SERÁ REALIZADO EM VALADARES NESTE SÁBADO, 25.
A médica falou ainda sobre o surgimento do lúpus. “É um acúmulo de fatores. Temos a predisposição genética, com a formação de autoanticorpos. O que é isso? A pessoa produz uma proteína que vai cair no sangue e irá reagir contra a própria pessoa. Ou seja, é uma doença autoimune, e junto com isso tem a associação de fatores ambientais, a exposição solar excessiva e o estresse, que é o grande gatilho da doença, o grande desencadeador disso”, explica.
O tratamento, segundo a Dra. Denise Leite, é feito à base de imunossupressores, corticoides e anti-inflamatórios. “Temos que às vezes dar corticoides, quando o processo é inflamatório e está muito exacerbado; anti-inflamatórios, para dores articulares; e os imunossupressores, que são capazes de reduzir essa alteração da autoimunidade, controlando assim essa parte de antígeno e anticorpo. Hoje em dia a gente tem medicações importadas novas de alto custo, e estamos brigando com o governo para incluí-las na lista. Medicamentos, para se ter uma ideia, de R$ 20 mil a 30 mil, excelentes e que fazem diminuir a chance de mortalidade. Porque o lúpus mal tratado mata. Principalmente se pegar alvos como o coração, os rins e o pulmão”, destacou.
Com relação à transmissão, a médica reforça que o lúpus não é contagioso. “É autoimune. Eu produzo uma proteína que está na minha genética, que vai desencadear aquele processo inflamatório que irá me atacar. Não é contagioso.” 

FORMAS DE IDENTIFICAÇÃO
A médica explica que para identificar a doença é necessária a investigação de alguns critérios. “Dor de cabeça, mancha na pele com alteração a exposição ao sol, afta na boca, pessoas que têm dor articular, inchaço, cansaço, fraqueza, e aí incluem-se aí os exames laboratoriais. São quatro tipos de lúpus: o sistêmico; discoide, que só ataca a pele; o cutâneo subagudo; e o lúpus induzido por drogas — cocaína e remédio para emagrecer. E ainda o lúpus neonatal: a mãe com lúpus tem um tipo de anticorpo positivo, e chance de passar isso via placenta para o bebê. Ele também nasce com mancha, mas ela costuma desaparecer”, concluiu.

Qual a necessidade do grupo? Para os pacientes se conhecerem, trocar informações e, o mais importante, conhecer melhor a doença e saber os seus direitos. Às vezes são medicações de alto custo, que o governo pode pagar, e ainda tem a questão de direitos junto ao INSS. Então, vai ser uma troca de experiências. E uma vez esse grupo formado em Valadares, ele pode ajudar outras pessoas.”
A médica falou ainda sobre o surgimento do lúpus. “É um acúmulo de fatores. Temos a predisposição genética, com a formação de autoanticorpos. O que é isso?
A pessoa produz uma proteína que vai cair no sangue e irá reagir contra a própria pessoa.
Ou seja, é uma doença autoimune, e junto com isso tem a associação de fatores ambientais, a exposição solar excessiva e o estresse, que é o grande gatilho da doença, o grande desencadeador disso”, explica.

O tratamento, segundo a Dra. Denise Leite, é feito à base de imunossupressores, corticoides e anti-inflamatórios. “Temos que às vezes dar corticoides, quando o processo é inflamatório e está muito exacerbado; anti-inflamatórios, para dores articulares; e os imunossupressores, que são capazes de reduzir essa alteração da autoimunidade, controlando assim essa parte de antígeno e anticorpo. Hoje em dia a gente tem medicações importadas novas de alto custo, e estamos brigando com o governo para incluí-las na lista. Medicamentos, para se ter uma ideia, de R$ 20 mil a 30 mil, excelentes e que fazem diminuir a chance de mortalidade. Porque o lúpus mal tratado mata. Principalmente se pegar alvos como o coração, os rins e o pulmão”, destacou.

Com relação à transmissão, a médica reforça que o lúpus não é contagioso. “É autoimune. Eu produzo uma proteína que está na minha genética, que vai desencadear aquele processo inflamatório que irá me atacar. Não é contagioso.”

FORMAS DE IDENTIFICAÇÃO

A médica explica que para identificar a doença é necessária a investigação de alguns critérios. “Dor de cabeça, mancha na pele com alteração a exposição ao sol, afta na boca, pessoas que têm dor articular, inchaço, cansaço, fraqueza, e aí incluem-se aí os exames laboratoriais. São quatro tipos de lúpus: o sistêmico; discoide, que só ataca a pele; o cutâneo subagudo; e o lúpus induzido por drogas — cocaína e remédio para emagrecer. E ainda o lúpus neonatal: a mãe com lúpus tem um tipo de anticorpo positivo, e chance de passar isso via placenta para o bebê. Ele também nasce com mancha, mas ela costuma desaparecer”, concluiu
http://drd.com.br/news.asp?id=50089800079204810000

quarta-feira, 15 de julho de 2015

Lúpus é Epilepsia aguardam parecer da Relatora Dep Soraya Santos na Comissão de Finanças e Tributação

PL7797/2010
Altera o art. 151 da Lei nº 8.213, de 24 de julho de 
1991, que "dispõe sobre os Planos de Benefícios da 
Previdência Social e dá outras providências", para 
incluir o lúpus e a epilepsia entre as doenças cujos 
portadores são dispensados de cumprir prazo de 
carência para usufruir dos benefícios de auxílio-
doença e aposentadoria por invalidez. Inteiro teor
Projeto de Lei
Situação: Aguardando Parecer do Relator na Comissão de Finanças e Tributação (CFT)
Origem: PLS 293/2009
Identificação da Proposição
Autor
Senado Federal - Paulo Paim - PT/RS
Apresentação
01/09/2010
Ementa
Informações da Deputada
Foto do Deputado SORAYA SANTOS
  • Nome civil: SORAYA ALENCAR DOS SANTOS
  • Aniversário: 4 / 12
  • Partido/UF: PMDB / RJ / Titular
  • Telefone: (61) 3215-5352 - Fax: 3215-2352
  • Legislaturas: 15/19
  • Biografia
  • Fale com o deputado
A Dep Soraya Santos foi Designada Relatora na Comissão de Finanças e Tributação no dia 28/05/2015 para avaliar a PL7797/2010
28/05/2015
Comissão de Finanças e Tributação ( CFT )
  • Designada Relatora, Dep. Soraya Santos (PMDB-RJ)
Dep.Soraya Santos vi que a Sra foi Designada a Relatora na Comissão de Finanças e Tributação no dia 28/05/2015 para avaliar a PL7797/2010 Origem: PLS 293/2009.
Gostaria de saber como anda esté projeto e peço pela Aprovação dele.
Esta PL facilitaria muito a vida dos pacientes com estas infermidades .
Os benefícios previdênciarios nos ajuda a termos a tranquilidade nesta fase difícil da doença.
O Lúpus é uma doença que as vezes leva se tempo para termos um diagnóstico correto e com isso as vezes somos pegos de surpresa na nossa fase produtiva para o mercado de trabalho, e com estes diagnóstico tardios as vezes temos que nos afastar do trabalho por não termos condições físicas e as vezes até emocional e com isso perdemos o direito de ter os benefícios previdênciarios que seriam de direitos a nós cidadãos com doenças graves.
As vezes o Lúpus nos deixa incapaz para o trabalho devido aos agravamentos que a doença pode nos provocar
Peço a sua Atenção à este projeto e nos ajude a dar prosseguimento e providências para que ele seja Aprovado o mais rápido possível.
Agradeço a sua Atenção e aguardo resposta.
Fale com o Deputado neste link 
Ligue e peça pela Aprovação deste Projeto(PL7797/2010). 
#LúpicosAgradecem
#LúpustemqueterAtenção
#Lúpusleslesblogspot
Aqui neste Link está a íntegra do Projeto 7797/2010

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Brasil em busca de respostas sobre a possível Cura sobre o Lúpus - Universidade da Flórida em Gainesville estão sobrecarregados pelas centenas de e-mails e aguardam por encontrar alguém para financiar a pesquisa em seres humanos

Pesquisadores da Universidade da Flórida em Gainesville
estão sobrecarregados pelas centenas de e-mails que recebemos de pessoas depois que os resultados de seu estudo acumulou social, a atenção da mídia.
Laurence Morel, Ph.D., diretor do departamento de patologia experimental da universidade e co-autor do estudo, falou sobre a pesquisa a equipe vem fazendo em camundongos em uma conferência realizada em Cuba em meados de junho.

Morel disse ele aparece alguém da conferência postou algo em uma página no Facebook que fez os resultados da investigação mais promissora do que elas realmente são no momento.

Desde então, Morel recebeu mais de 300 e-mails, muitos escritos em Espanhol ou Português, perguntando sobre uma cura ou como pacientes com lúpus pode participar nos ensaios de tratamento de humanos.

Alguns pacientes com lúpus têm mesmo chamado Morel, implorando para obter mais informações. Ela tinha que dizer-lhes a pesquisa é preliminar e pode algum dia beneficiá-los, mas um tratamento real é ainda anos fora.

"Eu me senti horrível para eles", disse Morel. "Havia um monte de histórias terríveis."

Doug Bennett, um escritor de ciência na Universidade da Flórida, foi encarregado de responder aos e-mails enviados a Morel.

Bennett disse que as respostas estão sendo enviados em Inglês, Espanhol e Português explicando a situação.

"É uma doença muito comum", disse Bennett.

"Toda vez que há uma conversa sobre uma cura para algo como isto, há um monte de resposta."

Pesquisa em ratos é promissor

A equipe de Morel publicou as primeiras conclusões sobre suas pesquisas em fevereiro.

Foi relatado em um artigo sobre Healthline , bem como em outras publicações.

Os cientistas que comunica através de uma combinação de dois fármacos que foram capazes de reverter lúpus em ratinhos.

Desde então, os investigadores Florida continuaram os seus estudos utilizando ratinhos, assim como células imunitárias humanas num ambiente in vitro.

O próprio artigo Healthline foi visitado quase 16.000 vezes entre 20 de Junho e 05 de julho, quatro meses após a sua publicação 11 de Fevereiro.

Essa história tem agora mais de 200 comentários, muitos escritos em espanhol ou Português.Algumas pessoas ainda estão deixando endereços de email e números de telefone. Um grande número parecem ser do Brasil.

Semelhante ao solicitações Morel foi ficando, muitos dos comentadores da história estão perguntando como eles podem se envolver em testes em humanos.

A equipe de Morel está se candidatando a bolsas para realizar estudos em seres humanos.

No entanto, os experimentos levaria quatro ou cinco anos e exigiria cerca de US $ 1 milhão para completar.

Autoridades da universidade estão esperando que eles podem encontrar alguém para financiar a pesquisa.

"Isso seria enorme", disse Bennett."Isso seria incrível."

Escrito por David Mills

Publicado em 6 de Julho de 2015

http://www.healthline.com/health-news/florida-researchers-inundated-by-people-seeking-cure-for-lupus-070615

Tradução automática feita pela Google
#Compartilhando
#VivaBemComLúpus
#LúpusLesLes
#Lúpusleslesblogspot♡

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Lúpus foi tema de Encontro em Londrina no dia 04/07/15


Encontro Lúpus
Lúpus foi tema de encontro em Londrina
Escrito por
Dayane AlbuquerqueSeg
06/07 /15
Combater o preconceito e agilizar o diagnóstico na rede de saúde estiveram entre os objetivos do encontro que reuniu cerca de 100 pessoas

A secretária ressaltou que o retorno do encontro foi muito positivo e que a intenção é continuar dando suporte aos pacientes lúpicos do município. “Nossa intenção é promovermos outras
mobilizações, para debater e conscientizar sobre a doença”, disse.

Entre os presentes estiveram a diretora da 17ª Regional de Saúde,
Teresinha Sanches, que representou o secretário de Saúde do Estado do Paraná,
Michele Caputo Neto;
os vereadores professor Fabinho (presidente da Câmara Municipal de Londrina),
Elza Correia,
Lenir de Assis e
Sandra Graça;
o presidente da Associação Médica de Londrina (AML), Antônio Caetano de Paula; o presidente da Sociedade Paranaense de Reumatologia, Marco Antonio da Rocha Loures e a
Presidente da Associação 

É Hora de Viver de Londrina, Sandra de Souza



Mais um passo foi dado na luta de quem vive com o Lúpus!
O 1º Encontro Regional para a Conscientização sobre o Lúpus foi realizado na manhã do dia 04/07/15, com o objetivo de desmistificar e explicar os sintomas e formas de tratamento da doença.
A vereadora Elza Correia, autora da Lei nº 12.148/2014 que institui a Semana Municipal de Conscientização sobre o Lúpus, acredita que os esclarecimentos do Encontro podem sensibilizar o poder púbico e fazer avançar o processo de implantação de políticas públicas e divulgação de informações nas Unidades Básicas de Saúde acerca da doença.
Londrina é a primeira cidade do Brasil a colocar no calendário oficial do Município
a Semana de Conscientização sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico, a ser celebrada, anualmente, no mês de Maio, na semana que contenha o dia 10.
Institui, no calendário de Comemorações Oficiais do Município, Londrina é a primeira cidade do Brasil a colocar no calendário oficial do Município.
A CÂMARA MUNICIPAL DE LONDRINA, ESTADO DO PARANÁ, APROVOU E EU, PREFEITO DO MUNICÍPIO SANCIONO A SEGUINTE LEI:
Art. 1º Passa a fazer parte do calendário de Comemorações Oficiais do Município a Semana de Conscientização sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico, a ser celebrada, anualmente, no mês de maio, na semana que contenha o dia 10.
Art. 2º A Semana de Conscientização sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico tem como finalidade promover campanhas publicitárias institucionais, seminários, palestras e cursos sobre essa doença no âmbito do Município de Londrina.
Art. 3º Como instrumento auxiliar para atender aos objetivos da Semana de Conscientização sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico serão realizados eventos educativos, culturais e de lazer para sensibilização e mobilização da população para a seriedade do tema.
Art. 4º A programação e as atividades da Semana de Conscientização sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico poderão ser coordenadas pelo Município, a seu critério, em parceria com outras esferas do Poder Público, Instituições e Organizações não governamentais com ações que priorizarão:
I – oportunizar a discussão permanente sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico;
II – ampliar e estimular o conhecimento sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico;
III – envolver atividades nas áreas de educação, psicologia, medicina, fonoaudiologia, educação física, terapia educacional, empregabilidade e empreendedorismo em torno da temática do Lúpus Eritematoso Sistêmico;
IV – divulgação de experiências, reflexões e práticas profissionais para combater a precariedade de conhecimento sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico; e
V – orientação e apoio àquele que tem essa doença e seus familiares, como forma de melhorar as condições de crianças e adultos que sofrem do transtorno.
Art. 5º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.
Londrina, 25 de agosto de 2014.
ALEXANDRE LOPES KIREEFF PAULO ARCOVERDE NASCIMENTO
Prefeito do Município Secretário de Governo
Ref. Projeto de Lei nº 140/2014
Autoria: Elza Pereira Correia, Lenir Cândida de Assis, Sandra Lúcia Graça Recco, Joaquim Donizete do Carmo, Gerson Moraes de Araújo, José Roque Neto, Fábio André Testa, Péricles José Menezes Deliberador, Douglas Carvalho Pereira, Gustavo Corulli Richa, Roberto Yoshimitsu Kanashiro e Ederson Junior Santos Rosa

Esse texto não substitui o publicado no Jornal Oficial, edição nº 2513, caderno único, fls. 2, de 27.08.14.