sábado, 27 de setembro de 2014

Lúpus e os dentes ( Orientações para tratamentos dentário)

Pacientes com distúrbios sistêmicos em sua saúde, como diabéticos,hipertensos, doenças autoimunes, como por exemplo Lúpus eritemastoso e outras, hemofílicos, reumatosos, etc, deverão estar com a sua saúde controlada, e, somente após parecer médico, iniciar o tratamento.

IMPLANTES DENTÁRIOS – ORIENTAÇÕES

Para realização do implante dentário é necessário que o paciente seja submetido a duas fases de tratamento: fase Cirúrgica e fase Protética.

FASE CIRÚRGICA

Como o próprio nome diz, o paciente é submetido a uma cirurgia na qual é introduzido no osso um parafuso de titânio, rosqueável.

Este parafuso de titânio, chamado de implante, deverá permanecer, em média de 5 a 6 meses, submerso (em baixo da gengiva).
Durante este tempo, sofre um processo chamado de osseointegração, o 
qual é responsável pela sua fixação ao osso.

FASE PROTÉTICA
Corresponde à confecção da prótese (dente). Inicia em 5 ou 6 meses após a fase de instalação do parafuso de implante dentro do osso.

O parafuso de titânio tem na sua composição, em média, 99,7% de
titânio, o qual é totalmente biocompatível, eliminando possibilidade de rejeição
do organismo a este material.


Antes de realizar o implante, há necessidade que o paciente seja avaliado pelo cirurgião-dentista, quando então serão examinados e solicitados exames complementares como, por exemplo, a radiografia panorâmica.
Para o sucesso do implante há necessidade que o paciente esteja em boas condições de saúde.
Pacientes com distúrbios sistêmicos em sua saúde, como diabéticos,hipertensos, doenças autoimunes, como por exemplo Lúpus eritematoso e outras, hemofílicos, reumatosos, etc, deverão estar com a sua saúde controlada, e, somente após parecer médico, iniciar o tratamento.

A doença periodontal ativa contra indica a instalação de implantes. Nestes casos, esta doença deverá ser tratada e controlada previamente e o implante só poderá ser instalado quando a infecção estiver sob controle, sem atividade da doença.
A correta higienização da área ao redor do(s) implante(s) é primordial para a manutenção da saúde periodontal e dos próprios implantes. A não observação e cumprimento deste critério é a principal causa da perda dos implantes. A infecção perimplantar é chamada de Peri-implantite.
O fumo é um dos principais fatores que levam ao insucesso no processo de osseointegração 
(a fixação do implante no osso). O paciente tabagista( fumante) deve estar ciente que se permanecer com esse hábito, pode levar ao insucesso do tratamento, acarretando a perda do implante.
Pacientes com hábitos de apertar ou ranger os dentes (bruxismo) deverão realizar um tratamento especializado para controle destes hábitos, tendo em vista que a sobrecarga oclusal nos implantes pode acarretar sérios problemas na sua estabilidade e dos componentes protéticos. Estes tipos de
hábitos contraindicam a colocação do implante.
O paciente que foi submetido ao tratamento e o implante não se fixou no osso (osseointegrou), deve ser reavaliado pelo cirurgião dentista que o operou, para que verifique se é possível ou não refazer o tratamento do implante.





Reumatologia/Doenças Auto-Imune

Lúpus e os dentes

14/06/2004

Cuidados Dentários no Lúpus
T
radução livre do artigo "Dental Care and Lúpus" da "Lúpus UK"
Por: Nicole Schlossinger Liguori Dias (e-mail: art_trade@wac.com.br) Nov.15, 1997
Pacientes com lúpus têm problemas dentários específicos em conseqüência do processo da doença e das medicações necessárias para controlar os sintomas do lúpus.


Sintomas

O lábio inferior está mais comumente envolvido, com uma vermelhidão e escamação(?scaling) generalizada. Esta área pode tornar-se sensível para alimentos temperados e ácidos. Na boca em si, podem haver áreas avermelhadas que são levemente entumecidas (raised?)e podem eventualmente ulcerar; isto é mais comumente percebido na superfície interna das bochechas, na língua e no céu da boca.
Estas úlceras quando tratadas podem deixar cicatrizes.Apesar do Lúpus

Eritematoso Sistêmico afetar praticamente todas as juntas do corpo com artrite, raramente as juntas dos maxilares são afetadas desta forma. No entanto artrite pode levar a movimento limitado, com dor ao longo das laterais da face, espalhando-se às vezes, pelos músculos da face. Os dentes são raramente afetados por esta artrite, mas as dores na parte interna da face podem ser confundidas com dor de dente, este problemas é raramente causado por artrite.Síndrome de SJOGRENS
Lúpus também pode estar complicado com a síndrome de Sjogren e as glândulas salivares podem ficar inflamadas causando a condição conhecida como "Xerostomia - dry mouth".
"Dry mouth"- Boca seca descreve a condição onde a saliva é produzida em menor quantidade do que o normal, provocando então problemas ao comer, engolir, falar, usar dentaduras, e uma alta sensibilidade a infecções da boca.
Enquanto algum tecido salivar permanecer, pode ser estimulado para produzir maior quantidade de saliva. Esta estimulação pode vir da sucção de doces ou mastigação de goma de mascar. Dentistas aconselham o uso de doces "sem açúcar" e goma de mascar dental para prevenir deterioração dos dentes. Substituição de uma quantidade insuficiente de saliva natural é uma consideração atrativa e lógica, no entanto, saliva artificial é rapidamente perdida pela boca devido ao engolir, e não é tão eficiente quanto seu equivalente para os olhos.
Auto -Ajuda
Auto exame da boca deveria ser feito regularmente pelos pacientes com lúpus. Doenças periodontais, as quais causam a maior parte das perdas de dentes em adultos e afeta quase todos, geralmente não causam dor, e podem não dar alerta, até que uma significante perda de tecido já tenha ocorrido. No entanto existem sinais e sintomas que os pacientes podem detectar com a auto exame.
Doenças periodontais são um grupo de condições inflamatórias que afetam as gengivas e o osso de suporte ao redor de cada dente. Os problemas periodontais mais comuns são a Gengivite (inflamação das gengivas) e a periodontite (inflamação que afeta o osso sob a gengiva.)
A presença de qualquer um dos sinais seguintes e sintomas pode indicar o processo de gengivite e periodontite.


  1. Sangramento das gengivas: - ao comer ou ao escovar os dentes sangrar sem causa óbvia.
  2. Inchaço das gengivas: - gengivas aumentadas.
  3. Vermelhidão das gengivas: - uma alteração na cor das gengivas.
  4. Sensibilidade das gengivas:- dor na escovação, não tratado pode aumentar e causar enfraquecimento do osso que sustenta os dentes.
Tratamento dentário Comunicação entre paciente , médico e dentista é essencial.
Pacientes com lúpus deveriam visitar o dentista em intervalos regulares, geralmente a cada 3 a 6 meses.

  • O paciente deve informar o dentista sobre o seu passado e presente histórico médico.
  • O dentista deveria receber uma lista completa das medicações que o paciente está tomando. O dentista também deve saber a dosagem e todo e qualquer efeito colateral dos medicamentos.
  • O médico do paciente deveria por sua vez saber de qualquer problema dentário e o propósito do tratamento. Qualquer procedimento cirúrgico pode requerer uma mudança na dosagem de qualquer medicamento esteróide(?steroid) e pode requerer antibióticos se o paciente tiver problemas cardíacos.
Recomendações Úteis
  1. Durante uma crise, tratamentos dentários deveriam ser adiantados a não ser que sejam absolutamente necessários.
  2. Pacientes com lúpus estão freqüentemente sob tratamento de esteróides e têm por conseguinte uma baixa resistência a infecções, que podem predispor a uma infecção de vários tipos. Portanto, check-up regulares deveriam ser feitos com meticulosa higiene oral, mantidos pelo paciente entre cada check-up.
  3. Onde úlceras orais são presentes, pasta de dente deveria ser evitada. Um pouco de bicarbonato de sódio numa escova bem macia limpará os dentes perfeitamente.
  4. Em certos casos o dentista poderá querer dar ao paciente uma dose pré determinada de antibiótico. Geralmente isto é feito quando um tratamento dentário maior será executado e é utilizado para prevenir endocardite por bactéria (? Bacterial endocarditis). O dentista deverá avaliar cada caso individualmente e decidir se merece o uso de antibióticos, tais como penicilina, que podem agravar o lúpus.
  5. Cirurgias também podem temporariamente exacerbar o lúpus. Portanto, cirurgias eletivas deveriam ser evitadas e extração de dentes deveriam ser feitas apenas quando absolutamente necessárias.
  6. Caso os dentes devam ser extraídos como conseqüência de uma higiene oral fraca e inadequada, a dentadura resultante poderá irritar as feridas e ulceras na boca, causando algum desconforto. Ao usar dentaduras não deve-se usar colas (adhesives), e ao usar limpadores de dentaduras, estas devem ser muito bem enxaguadas antes de serem recolocadas na boca.
  7. Para uma escovação eficiente, a escova deve limpar as 5 faces de cada dente. A área mais critica e difícil de limpar é aquela adjacente ou próxima às gengivas. Deveria levar aproximadamente 10 minutos para escovar seus dentes completamente. Placas de tártaro que causam cáries e doenças periodontais, acumulam na superfície de cada dente e devem ser removidas diariamente. Caso a gengiva machuca ou sangra, deveria ser escovada mais.
  8. Pacientes com lúpus deveriam checar a parte interior de sua boca regularmente procurando por áreas vermelhas ou irritações. Se estas áreas foram constatadas, deverão ser informadas ao médico e ao dentista.


    Lúpus Brasil


    IMPORTANTE
    •  Procure o seu médico para diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. 
    • As informações disponíveis no site da Dra. Shirley de Campos possuem apenas caráter educativo.
    publicado por: Dra. Shirley de Campos  http://www.drashirleydecampos.com.br/noticias/11526

    sexta-feira, 26 de setembro de 2014

    Projeto de Lei 1136/11Ementa Dispõe sobre a Política Nacional de Conscientização e Orientação sobre o - Lúpus Eritematoso Sistêmico, e dá providências.


    Projeto de Lei 1136/11  - A Ementa Dispõe sobre a Política Nacional de Conscientização e Orientação sobre o - Lúpus Eritematoso Sistêmico, e dá providências.

    Projeto garante medicamento e filtro solar grátis a portador de lúpus

    A Câmara analisa o Projeto de Lei 1136/11, do deputado Cesar Colnago (PSDBES), que obriga o Sistema Único de Saúde (SUS) a garantir ao portador de lúpus acesso à medicação e a bloqueadores, filtros e protetores solares necessários ao controle da doença. O projeto institui a Política Nacional de Conscientização e Orientação sobre o Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES).
    A proposta aproveita o conteúdo de projeto apresentado pelo ex-deputado Ayrton Xerez (PL 955/07, arquivado ao fim da legislatura) e de emenda aprovada ao texto na Comissão de Seguridade Social e Família.
    Colnago afirma que o uso de filtros e de protetores solares é imprescindível para o controle do lúpus. Apesar de não ser uma doença contagiosa, infecciosa ou maligna, o lúpus costuma provocar uma série reações em decorrência da sensibilidade ao sol e à luz, tais como manchas e lesões na pelé, afirma.
    Campanhas educativas
    Entre outras ações, a política prevê a realização de campanhas educativas e de prevenção, a implantação de um sistema de dados para mapear a população atingida e a incidência da doença no País, assim como a elaboração de parcerias e convênios com órgãos públicos, entidades da sociedade civil e empresas privadas.
    O lúpus eritematoso sistêmico é uma doença inflamatória desencadeada pela ação de agentes externos (vírus, bactérias, agentes químicos, radiação ultravioleta). Em contato com o sistema imunológico, esses agentes induzem a produção inadequada de anticorpos que provocam lesões nos tecidos e alterações nas células sanguíneas. A doença atinge principalmente mulheres em idade reprodutiva.
    Tramitação
    O projeto tem caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Seguridade Social e Família; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
    Leia aqui a íntegra da proposta do PL-1136/2011
    Reportagem Murilo Souza
    Edição Jaciene Alves
    Fonte: Agência Câmara de Notícias
    PL 1136/2011
    Projeto de Lei
    Situação:
    Pronta para Pauta na Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF)
    Identificação da Proposição
    AutorApresentação
    Cesar Colnago - PSDB/ES20/04/2011
    Ementa
    Dispõe sobre a Política Nacional de Conscientização e Orientação sobre o LES - Lupus Eritematoso Sistêmico, e dá providências.
    Indexação
    Criação, Política Nacional de Conscientização e Orientação sobre o Lupus Eritematoso Sistêmico - LES, Sistema Único de Saúde (SUS), distribuição gratuita, garantia, acesso, medicamento, controle, doença.
    Informações de Tramitação
    Forma de apreciaçãoRegime de tramitação
    Proposição Sujeita à Apreciação Conclusiva pelas Comissões - Art. 24 IIOrdinária
    Despacho atual:
    DataDespacho
    05/05/2011Às Comissões de
    Seguridade Social e Família;
    Finanças e Tributação (Art. 54 RICD) e
    Constituição e Justiça e de Cidadania (Art. 54 RICD) - Art. 24, II
    Proposição Sujeita à Apreciação Conclusiva pelas Comissões - Art. 24 II
    Regime de Tramitação: Ordinária
    Pareceres Aprovados ou Pendentes de Aprovação
    ComissãoParecer
    Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF)20/03/2013 -
    Parecer do Relator, Dep. Eleuses Paiva (PSD-SP), pela aprovação deste, e pela rejeição do PL 1342/2011, apensado.

    Comissão de Finanças e Tributação (CFT)-
    Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJC)-

    http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=499217

    Grupar-Ribeirão Preto realizará neste dia 27 /09/14 o “Seminário de conscientização sobre Lúpus Eritematoso Sistêmico”


    Ribeirão recebe seminário sobre Lúpus
    23/09/2014 - 15:01
    Jornal A Cidade - Da reportagem

    Evento discutirá sinais, sintomas, lúpus na gravidez, na infância, assim como as inovações para o tratamento.
    O Grupar-RP, Grupo de Apoio ao Paciente Reumático, de Ribeirão Preto, realizará neste dia 27 de setembro o “Seminário de conscientização sobre Lúpus Eritematoso Sistêmico”, em sua sede, na rua Castro Alves 477, Vila Tibério.
    A doença autoimune e crônica, que acomete homens e mulheres, pode afetar várias partes do corpo, principalmente a pele, as juntas, os rins e o sangue, além de trazer sérias complicações, se não tratada.
    Estima-se que já tenha 200 mil pessoas com Lúpus no país. Dentre os pacientes, a cada 10, 9 são mulheres. Por ser de difícil tratamento, é necessário um diagnóstico precoce e um bom relacionamento entre médico e paciente. Isso ajudará a melhorar a qualidade de vida da pessoa que convive com o Lúpus.
    A participação no evento é gratuita e terá como palestrante o Dr. Flávio Calil Petean, a Dra. Daniela Moraes, a terapeuta Mirian Carla, além da advogada Samira Andraos Marquezin, que irá falar sobre o direito dos pacientes.
    Também haverá depoimentos, sorteio de brindes e pintura facial para adultos e crianças. As inscrições podem ser feitas através do email:grupar-rp@hotmail.com ou através do telefone (16) 3941 5110.
    O Grupar-RP é uma entidade sem fins lucrativos, fundada por pessoas portadoras dos mais diversos tipos de doenças reumáticas e apoiada por médicos reumatologistas da cidade e das faculdades de medicina: USP, UNAERP e Barão de Mauá.
    Serviço
    Fone: (16) 3941 – 5110 / (16) 991173049 /(16) 981972594
    Rua: Castro Alves, 477 – Vila Tibério – Ribeirão preto.
    Data e horário: dia 27 de setembro às 9h.

    quarta-feira, 24 de setembro de 2014

    Lúpus - DEPOIMENTO VIRGINIA em Viver a Vida♡

    #BoraViveraVida
    #SandraStel♥
    #Lupusleslesblogspot ♡ #VivendoBemComoLúpus


             


    domingo, 21 de setembro de 2014

    * Lúpus * Seminário de Conscientização (Minha Participação Online) :)

    Minha Participação Online :)







                                                               
         Grupos que eu Participo e agito  :)


    Lúpicos lado a lado

    sexta-feira, 19 de setembro de 2014

    Você sabe o que é lúpus? Pode Contar,tira algumas dúvidas sobre a doença Com Depoimento da Aninha


    Por Tribuna do Ceará em Pode Contar
    18 de setembro de 2014

    Você sabe o que é lúpus?
    Pode Contar ,tira algumas dúvidas sobre a doença
    Você já ouviu falar do lúpus?
    O lúpus é uma doença autoimune que pode afetar a pele, os rins, o cérebro e outros órgãos.
    O programa Pode Contar/Nordestv conta a história de uma menina que tem a enfermidade e jamais permitiu se abater e decidiu viver uma vida normal. Confira: O Depoimento da Aninha

    quarta-feira, 17 de setembro de 2014

    Pacientes devem ser atendidos em até 2 horas em emergência

    UOL -
    Seg, 15 de Setembro de 2014 18:27 As Resoluções CFM 2.077 e 2.079, publicadas no Diário Oficial da União, exigem dos gestores a garantia de leitos para receber pacientes que precisam de internação, regulamenta o funcionamento dos sistemas de classificação de risco e obrigam os médicos ao um acompanhamento mais intenso da evolução dos pacientes graves dentro da rede pública Duas importantes resoluções, decisivas para desafogar e qualificar o atendimento nos prontos-socorros e serviços de urgência e de emergência do país, inclusive Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs), foram publicadas pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). Ambas estabelecem fluxos, limites, obrigações e responsabilidade de médicos e, especialmente gestores, que se devidamente obedecidas trarão melhorias à assistência oferecida nestes setores, beneficiando, sobretudo, pacientes e familiares. “A crise do atendimento no Serviço Hospitalar de Urgência e Emergência no Brasil talvez seja o lado mais perverso do caos que assola a saúde pública. Na cadeia de atenção à saúde é o segmento mais exposto e visível para a população e a precariedade de seu atendimento, agravada por tratar de casos graves que exigem cuidados imediatos, faz com que seus problemas causem choque e indignação”, sublinhou o conselheiro Mauro Luiz de Britto Ribeiro, relator das duas normas que entram em vigor na data de sua publicação. Acesse aqui a íntegra das normas: Resolução CFM 2.077 e Resolução CFM 2.079 Fluxos de trabalho - A Resolução CFM nº 2.077/14 normatiza o funcionamento dos Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência, bem como dimensiona a equipe médica desses locais e seu fluxo de trabalho. Apenas não atinge as urgências não hospitalares, como as UPAs e congêneres, tratadas em norma especifica também publicada no Diário Oficial da União (DOU). Um dos destaques da regra é o limite ao tempo de permanência dos pacientes nos Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência em até 24 horas. Após esse prazo, a pessoa que recebe assistência deverá ter alta, ser internado ou transferido. A Resolução 2.077/2014 proíbe a internação de pacientes nos prontos-socorros. A preocupação é assegurar-lhes acesso às condições mínimas de assistência, que deve primar pela qualidade e pelo respeito à dignidade humana e à cidadania. Pela regra, hospital no qual o serviço funciona deverá disponibilizar, em todas as enfermarias, leitos de internação para pacientes egressos do Serviço Hospitalar de Urgência e Emergência em número suficiente para suprir a demanda existente. Em caso de superlotação do Serviço e ocupação de todos os leitos de retaguarda, o diretor técnico da instituição deve prover as condições necessárias para a internação ou transferência destes pacientes.
    Vaga zero – Também fica determinado ao médico plantonista do Serviço Hospitalar de Urgência e Emergência acionar imediatamente seus superiores (coordenador de fluxo ou, na inexistência deste, o diretor técnico do hospital) quando forem detectadas condições inadequadas de atendimento ou constatadas a inexistência de leitos vagos para a internação de pacientes, com superlotação da unidade. O médico plantonista também deve acionar os responsáveis em caso de pacientes com necessidade de acesso a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e não houver este tipo de leito disponível. O profissional ainda precisa soar o alerta quando o Serviço Hospitalar de Urgência e Emergência receber pacientes encaminhados na condição de “vaga zero”, um recurso essencial para o atendimento dos pacientes com risco de morte ou sofrimento intenso, mas que deve ser utilizada em casos de exceção e não uma prática cotidiana na atenção às urgências. Em caso de uso da “vaga zero” em Serviço Hospitalar de Urgência e Emergência superlotado ou sem capacidade técnica de continuidade do tratamento, caberá à equipe médica estabilizar o paciente e, depois de obtidas as condições clínicas que permitam a transferência, comunicar o fato à regulação, persistindo a responsabilidade do gestor público pela obtenção de vagas para a continuidade do tratamento e, se necessário, com a compra de leitos na forma da lei. Uma vez acionado em função da superlotação, o diretor técnico do hospital deverá notificar essa circunstância ao gestor responsável e ao Conselho Regional de Medicina, para que o desencadeamento das medidas necessárias. Se houver recusa ou omissão do gestor em resolver o problema, o Ministério Público deverá ser acionado. Falência do sistema – A Portaria no 2.048/02 do Ministério da Saúde atribui ao médico regulador do Sistema de Urgência e Emergência o grau de autoridade regulatória e determina que o mesmo não deva aceitar a inexistência de vagas nos hospitais de referência, “mesmo na situação em que inexistam leitos vagos para a internação dos pacientes (a chamada “vaga zero” para internação)”. Assim, a portaria autoriza o médico regulador a encaminhar pacientes graves para hospitais de referência, mesmo que superlotados, sem vagas e sem a menor condição de atendimento. “A obrigatoriedade colocada pelo gestor federal de que uma instituição hospitalar seja obrigada a receber pacientes no Serviço Hospitalar de Urgência e Emergência, mesmo que não tenha vaga, é o reconhecimento pelo governo da falência do Sistema de Urgência e Emergência no Brasil. Infelizmente, a chamada ‘vaga zero’ é uma triste realidade. Por essa razão necessita ser normatizada”, afirmou o 1º vice-presidente do CFM, Carlos Vital, que participou ativamente da elaboração das Resoluções. Classificação de risco - Além dessa medida, a Resolução 2.077/14 estabelece a obrigatoriedade dos serviços de urgência e emergência implantem o acolhimento dos pacientes de acordo com um sistema de Classificação de Risco. No entanto, a regra estabelece que o acesso a esta etapa do processo deve ser imediato, ficando a unidade obrigada a definir o número de classificadores para atingir a esperada agilidade. Outro ponto destacado na Resolução é o que exige que os pacientes que passarem pela Classificação de Risco e forem encaminhados ao pronto-socorro sejam, obrigatoriamente, atendidos por um médico. A resolução proíbe que a dispensa ou o encaminhamento do paciente para outra unidade seja realizado, por outro tipo de profissional. Nos locais com mais de 50 mil atendimentos/ano, o monitoramento das atividades será de um médico coordenador.
    Passagem de plantão - A regra aprovada pelo CFM torna ainda obrigatória a passagem de plantão (médico a médico), na qual o profissional que está assumindo o plantão deve tomar conhecimento do quadro clínico dos pacientes que ficarão sob sua responsabilidade. Na ficha de cada paciente, deve ser detalhada a assistência prestada, inclusive com a identificação dos médicos envolvidos no atendimento. Outro cuidado previsto na Resolução é a exigência de o médico plantonista dos Serviços Hospitalares de Urgência e Emergência dialoguem (pessoalmente ou por telefone) com outros médicos envolvidos no atendimento sempre que for solicitado ou que o solicitar, fornecendo todas as informações com vistas a melhor assistência ao paciente. Se for determinada a internação do paciente, ele passa a ser responsabilidade de um médico (de sobreaviso, internista ou outro médico responsável pela internação), até a alta pela sua especialidade ou a transferência do paciente para outro profissional. Enquanto o paciente internado estiver nas dependências do Serviço Hospitalar de Urgência e Emergência, as intercorrências por ele apresentadas deverão ser atendidas pelos médicos plantonistas, caso o médico assistente esteja ausente. “No entanto, este deverá ser imediatamente comunicado do fato, sendo a responsabilidade da assistência compartilhada, objetivando sempre o melhor tratamento para o paciente”, ressalta o documento. Necessidades da demanda – Para o relator das duas resoluções, há múltiplos fatores que se apresentam como desafios para a melhoria dos serviços hospitalares de urgência e emergência. Na relação de medidas urgentes, ele cita o aperfeiçoamento do acesso dos pacientes ao atendimento primário; a implantação de hospitais de referência regionais; e a adequação das equipes de saúde das unidades às necessidades da demanda, especialmente os médicos, com remuneração digna e sem excesso de carga horária. Além desse ponto, ele lembra ser importante a adequação da estrutura física estrutura física dos hospitais; a oferta de médicos especialistas na retaguarda; a implantação do Acolhimento com Classificação de Risco, no qual o paciente é atendido pela gravidade do quadro clínico que apresenta e não por ordem de chegada; a realização de campanhas de prevenção para a epidemia do trauma; e a abertura imediata de novos leitos de UTI ou de unidade intermediária que permita a alta precoce de pacientes da UTI, assim possibilitando o acesso à UTI dos pacientes que hoje se encontram entubados e nos ventiladores dos prontos-socorros, dando-lhes atendimento adequado e aumentando suas chances de sobrevivência, disse Mauro Ribeiro.

    sexta-feira, 12 de setembro de 2014

    Ministro da Saúde Alexandre Padilha manifesta apoio ao Blogueiros da Saúde


    Ministro da Saúde Alexandre Padilha manifesta apoio ao Blogueiros da Saúde


    quarta-feira, 10 de setembro de 2014

    "Seminário de Conscientização sobre Lúpus ( Grupar - Rio Preto )

         Participação Gratuita

    "Seminário de Conscientização sobre o Lúpus Eritematoso  Sistêmico"
    Nefrite Lúpica - Gravidez no Lúpus - Sinais, Sintomas e Tratamentos.
    Relacionamento Médico e paciente a importância para o sucesso no tratamento.
    O que tem de novo para o tratamento do Lúpus?

    Palestrantes convidados:
    Dra Solange Alves - Médica Reumatologista
    Dr Neimar Leonardo do Santos - Advogado

    • Data 20/09/2014 - ás 10:00 hs  
    • Local : localizado no interior do estado de São Paulo -  
    • Rua Santo André, N 504 - Jardim Europa -São José do Rio Preto SP  
    • ( Sede do Conselho Municipal de Saúde )
    • Informação : Tel : 017 - 3211-4120
    • Inscrições por telefone ou pelo 
    • Email : grupar-rp@hotmail.com

    terça-feira, 9 de setembro de 2014

    Depressão

    Minha Vida - Saúde, Alimentação e Bem-Estar



    A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. No sentido patológico, há presença de tristeza, pessimismo, baixa autoestima, que aparecem com frequência e podem combinar-se entre si. É imprescindível o acompanhamento médico tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento adequado.

    Causas

    A depressão é uma doença. Há uma série de evidências que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina e, em menor proporção, dopamina), substâncias que transmitem impulsos nervosos entre as células. Outros processos que ocorrem dentro das células nervosas também estão envolvidos.

    Clik Aqui e SAIBA MAIS >>> 

    Fique alerta com as principais causas de depressão

    Ao contrário do que normalmente se pensa, os fatores psicológicos e sociais, muitas vezes, são consequência e não causa da depressão. Vale ressaltar que o estresse pode precipitar a depressão em pessoas com predisposição, que provavelmente é genética. A prevalência (número de casos numa população) da depressão é estimada em 19%, o que significa que aproximadamente uma em cada cinco pessoas no mundo apresenta o problema em algum momento da vida.

    Sintomas de Depressão
    • Humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia
    • Desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas
    • Diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis
    • Desinteresse, falta de motivação e apatia
    • Falta de vontade e indecisão
    • Sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio
    • Pessimismo, ideias frequentes e desproporcionais de culpa, baixa autoestima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte.
    • A pessoa pode desejar morrer, planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio
    • Interpretação distorcida e negativa da realidade: tudo é visto sob a ótica depressiva, um tom "cinzento" para si, os outros e o seu mundo
    • Dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento
    • Diminuição do desempenho sexual (pode até manter atividade sexual, mas sem a conotação prazerosa habitual) e da libido
    • Perda ou aumento do apetite e do peso
    • Insônia (dificuldade de conciliar o sono, múltiplos despertares ou sensação de sono muito superficial), despertar matinal precoce (geralmente duas horas antes do horário habitual) ou, menos frequentemente, aumento do sono (dorme demais e mesmo assim fica com sono a maior parte do tempo)
    • Dores e outros sintomas físicos não justificados por problemas médicos, como dores de barriga, má digestão, azia, diarreia, constipação, flatulência, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito, entre outros.
    Tratamento de DepressãoO tratamento da depressão é essencialmente medicamentoso. Existem mais de 30 antidepressivos disponíveis. Ao contrário do que alguns temem, essas medicações não são como drogas, que deixam a pessoa eufórica e provocam vício. A terapia é simples e, de modo geral, não incapacita ou entorpece o paciente.

    Clik Aqui e  SAIBA MAIS