terça-feira, 15 de outubro de 2013

Programa Remédio em Casa da S M S - SP

Logotipo Saúde


Remédio em Casa

PROGRAMAS DA SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE
O Programa Remédio em Casa (PRC) da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo (SMS/SP) consiste na entrega domiciliar de medicamentos em quantidades suficientes para o período de 90 dias; para portadores de doenças/ patologias crônicas;  estáveis e controlados clinicamente; em acompanhamento nas Unidades de Saúde.
Os principais objetivos do Programa: garantir o acesso mais efetivo aos medicamentos  e organizar o atendimento contínuo aos portadores de doenças/ patologias crônicas.
Medicamentos disponibilizados:
  • Hidroclorotiazida 25mg
  • Propranolol 40mg
  • Atenolol 50mg
  • Captopril 25mg
  • Enalapril 20mg
  • Enalapril 5 mg (inclusão em 15/01/07)  
  • Nifedipino 20mg
  • Anlodipino 5mg
  • Acido acetilsalicílico 100mg
  • Metformina 850mg
  • Metformina 500mg (inclusão em 18/01/10) 
  • Glibenclamida 5mg
  • Gliclazida 30mg (inclusão em 18/01/10)
  • Sinvastatina (inclusão em 13/07/09)
  • Sinvastatina 10 mg (inclusão em 01/03/11)
  • Levotiroxina 25 mcg (inclusão em 12/07/10)
  • Levotiroxina 50 mcg (inclusão em 12/07/10)
  • Levotiroxina 100 mcg (inclusão em 12/07/10)
  • Losartana potássica 50 mg (inclusão em 01/03/11)  
  • A principal característica do Programa é utilização de sistema totalmente informatizado. 
    O Manual do sistema GSS/ Remédio em Casa é disponibilizado e atualizado “on line” (acesso pelo próprio sistema) para as Unidades de Saúde habilitadas, que realizam o Cadastramento e acompanhamento de seus pacientes através dos Relatórios Operacionais e Gerenciais
    Todas as Supervisões Técnicas (ST) e Coordenadorias Regionais de Saúde (CRS) têm interlocutor/assessor para o Programa. Estes profissionais, que são atualizados periodicamente; são responsáveis por orientar e supervisionar o Programa em suas regiões/Unidades.
    Histórico de implantação/ampliação
    12/07/05 Implantação para atender os portadores de Hipertensão arterial (HA) e/ou Diabetes mellitus (DM).
    A implantação aconteceu conforme planejamento estratégico (2.005-2.009), com treinamento dos funcionários e gerentes das unidades para conhecimento e utilização do sistema (Gestão de Sistemas em Saúde - GSS/ Remédio em Casa).
    13/07/09 - Ampliação através do atendimento aos portadores de Dislipidemia, com a inclusão da Sinvastatina (estatina/redução de colesterol) com o objetivo de contribuir na prevenção de doenças cardiovasculares.
    18/01/10Ampliação com a disponibilização aos portadores de Diabetes mellitus: Gliclazida 30 mg e Metformina 500 mg
    12/07/10 Ampliação – Disponibilização aos portadores de Hipotireoidismo de Levotiroxina 25 mcg; 50 mcg e 100 mcg. Os portadores de Hipertensão; Diabetes e Dislipidemia que utilizam este medicamento também serão beneficiados.
    01/03/11Ampliação com a disponibilização de Sinvastatina 10 mg para portadores de Dislipidemia e Losartana potássica 50 mg para os portadores de Hipertensão arterial
    O Programa Remédio em Casa está na Agenda 2.012 – Programa de Metas da Cidade de São Paulo e no Plano Plurianual (PPA) 2.010 a 2.013.

    Importante: a Secretaria Municipal de Saúde não é responsável pela entrega domiciliar de medicamentos do componente Especializado (“Alto Custo”)

    COORDENAÇÃO PROGRAMA REMÉDIO EM CASA
    Fone: 3397-2217
    Maria Cristina dos Santos Fernandes - msfernandes@prefeitura.sp.gov.br
    INTERLOCUÇÕES REGIONAIS:

    COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE - NORTE - Casa Verde Cachoeirinha; Freguesia do Ó Brasilândia; Pirituba Perus; Santana Tucuruvi Jaçanã Tremembé; Vila Maria Vila Guilherme
    Fone: 2224-6805 / 2224-6809
    Heloísa M. Berton - hberton@prefeitura.sp.gov.br

    COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE -  CENTRO-OESTE - Butantã; Lapa Pinheiros; Sé
    Fone: 3078-1922/3078-2442
    Sílvia Regina Ansaldi da Silva - sasilva@prefeitura.sp.gov.br
    Fernando José Casemiro - fcasemiro@prefeitura.sp.gov.br

    COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE - LESTE - Cidade Tiradentes; Ermelino Matarazzo São Miguel; Guaianases; Itaquera; Itaim Paulista; São Mateus
    Fone: 3397-0946 / 0947
    Patrícia Lima dos Santos - pslima@prefeitura.sp.gov.br

    COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE - SUDESTE - Aricanduva Mooca Carrão Formosa; Ipiranga; Penha; Vila Mariana Jabaquara; Vila Prudente Sapopemba
    Fone: 2063-0622 (R 28) / 2591-3011 / 2215-3147
    Vera Martha Takayama - vtakayama@prefeitura.sp.gov.br

    COORDENADORIA REGIONAL DE SAÚDE - SUL - Campo Limpo; Capela do Socorro; Parelheiros; M’Boi Mirim; Santo Amaro Cidade Ademar
    Fone: 2075-1243
    Silmara Alves dos Santos - silmaraalves@prefeitura.sp.gov.br

    http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/saude/programas/index.php?p=5875

     

sábado, 12 de outubro de 2013

Melhor em Casa ( assistência multiprofissional gratuita em seus lares)

   Melhor em Casa

Pessoas com necessidade de reabilitação motora, idosos, pacientes crônicos sem agravamento ou em situação pós-cirúrgica, por exemplo, terão assistência multiprofissional gratuita em seus lares, com cuidados mais próximos da família.
O atendimento será feito por equipes multidisciplinares, formadas prioritariamente por médicos, enfermeiros, técnicos em enfermagem e fisioterapeuta. Outros profissionais (fonoaudiólogo, nutricionista, odontólogo, psicólogo e farmacêutico) poderão compor as equipes de apoio. Cada equipe poderá atender, em média, 60 pacientes, simultaneamente.
O programa também ajudará a reduzir as filas nos hospitais de emergência, já que a assistência, quando houver a indicação médica, passará a ser feita na própria residência do paciente, desde que haja o consentimento da família.

Assista o vídeo

Pronunciamento da Presidenta Dilma
 Melhor em Casa

Investimentos

- O Ministério da Saúde financiará 100% dos custos das equipes de Atenção Domiciliar. O governo federal vai repassar, por mês, R$ 34,5 mil para o custeio das equipes principais (EMAD) e R$ 6 mil para as equipes de apoio (EMAP). Os repasses do Ministério não excluem a possibilidade de aporte de recursos pelos gestores locais.
- Até 2014, serão implantadas em todas as regiões do país 1.000 equipes de atenção domiciliar e mais 400 equipes de apoio. O Ministério da Saúde investirá R$ 1 bilhão para custear a implantação e manutenção desses serviços.
- Em 2011, serão repassados aos estados e municípios R$ 8,6 milhões para a atividade dessas equipes e manutenção dos serviços.
- Os recursos também poderão ser utilizados para a manutenção dos serviços (compra de equipamentos, aquisição de medicamentos, insumos e transporte) e serão transferidos do Fundo Nacional de Saúde para os fundos municipais ou estaduais de saúde.
- Cada equipe principal poderá atender, em média, 60 pacientes, simultaneamente.

Funcionamento

- O Melhor em Casa é executado em parceria com estados e municípios.  O programa está articulado com as Redes de Atenção à Saúde (Saúde Mais Perto de Você e Saúde Toda Hora), lançadas pelo governo federal para ampliar a assistência, respectivamente, na Atenção Básica e nos casos de urgência e emergência no SUS.
- As equipes do Melhor em Casa atuarão de maneira integrada com os serviços da Atenção Básica, Unidades com Salas de Estabilização, UPAS, SAMU 192 e com as unidades hospitalares.
- Diferentemente do que ocorre na maioria dos projetos de atenção domiciliar já existentes, as equipes do Melhor em Casa atuarão vinculadas a uma central de regulação controlada pela secretaria de saúde dos municípios ou estados e não a um hospital. Assim, ao ser acionada, a central, então, seleciona a equipe do local onde o paciente mora para prestar a assistência domiciliar.

Benefícios

- Melhorar e ampliar a assistência no SUS a pacientes com agravos de saúde, que possam receber atendimento humanizado, em casa, e perto da família.
- Estudos apontam que o bem estar, carinho e atenção familiar aliados à adequada assistência em saúde são elementos importantes para a recuperação de doenças.
- Pacientes submetidos a cirurgias e que necessitam de recuperação poderão ser atendidos em casa, e terão redução dos riscos de contaminação e infecção.
- O Melhor em Casa representará avanços para a gestão de todo o sistema público de saúde, já que ajudará a desocupar os leitos hospitalares, proporcionando um melhor atendimento e regulação dos serviços de urgência dos hospitais.
- Estima-se (estimativa do Departamento de Atenção Básica e da Coordenação Geral de Gestão Hospitalar) que com a implantação da Atenção Domiciliar obtém-se economia de até 80% nos custos de um paciente, quando comparado ao custo desse mesmo paciente internado em um hospital.

Trabalho das equipes

- As equipes de Atenção Domiciliar do Melhor em Casa serão contratadas por estados e municípios. O atendimento à população será feito durante toda a semana (de segunda a sexta-feira), 12 horas por dia e, em regime de plantão, nos finais de semana e feriados.
- Os pacientes terão visitas regulares das equipes e serão monitorados permanentemente. A freqüência de visitas se dará conforme o estado clínico e avaliação de cada paciente.
- Haverá a figura do cuidador, que poderá ser ou não membro da família. O cuidador será a referência da família para as equipes do Melhor em Casa.

Confira aqui quais são os critérios de implantação

- Municípios com população entre 40 mil e 100 mil habitantes poderão participar, desde que estejam localizados em regiões metropolitanas e tenham SAMU instalado.
- Municípios com população acima de 100 mil habitantes devem ter, ainda, Hospital de Referência (mais de 60 leitos e com as clínicas básicas – ginecologia e obstetrícia, clínica, cirurgia e pediatria - ou estar habilitado em oncologia ou possuir UTI).

Saiba como os municípios e estados podem aderir

- Para ter equipes do Melhor em Casa, os municípios e/ou estados devem aderir ao programa do governo federal.
- Os gestores devem enviar projetos à  Comissão Intergestora Bipartite (CIB). Após aprovação nesta instância, o gestor encaminhará o projeto ao Ministério da Saúde, que fará avaliação técnica e publicará portaria habilitando os municípios e/ou estado.
- O sistema do Ministério da Saúde já está pronto para receber o cadastramento das equipes e estabelecimentos.

Experiências de sucesso na Atenção Domiciliar

No Brasil, existem diversos serviços médicos domiciliar implantados em Belo Horizonte (MG), Betim (MG), Uberlândia (MG), Natal (RN), Salvador (BA), Curitiba (PR), Florianópolis (SC), Porto Alegre (RS), Campo Grande (MT), Brasília (DF), Recife (PE), Manaus (AM), Campinas (SP), São Bernardo do Campo(SP),  Marília (SP), Ribeirão Preto (SP), Maringá (PR), Cascavel (PR), Linhares (ES), Volta Redonda (RJ) e Rio de janeiro (RJ).
O Instituto Nacional do Câncer (INCA) e o Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), administrados pelo Ministério da Saúde possuem serviços de atenção domiciliar. O Grupo Hospitalar Conceição (GHC), em Porto Alegre, também possui seu programa.

Leia mais sobre o INTO

Leia mais sobre o INCA

Controle

Somente vão receber recursos do Ministério os gestores municipais e estaduais que cadastrarem as equipes (nome e registros profissionais) e os estabelecimentos de saúde (que servirá de referência às equipes) no Sistema de Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (SCNES).

Ouvidoria 
Ministério da Saúde
Esplanada dos Ministérios Bloco G
Brasilia-DF / CEP: 70058-900
Telefone: 3315-2425
Acesse o serviço CartaSUS e avalie seu atendimento.

 http://portalsaude.saude.gov.br/portalsaude/index.cfm?portal=pagina.visualizarArea&codArea=364